1. Ser a Bíblia a única regra de fé e prática, que nos foi dada por Deus, através de homens inspirados pelo Espírito Santo. Assim, temos segurança em saber quem é Deus e como satisfazê-Lo.

2. Que Deus é Pai de todos os que nEle creem e em Jesus Cristo, Seu Filho, nosso Senhor e Redentor Eterno, concebido por obra do Espírito Santo.

3. Na infinita, eterna, indivisível e incomparável Trindade Santa, Pai, Filho e Espírito Santo, que, respectivamente, em infinita sabedoria, são nosso Criador, nosso Salvador e nosso Santificador, nos quais depositamos nossa vida em paz de espírito, em segurança, para que saibamos Sua vontade.

4. Que Deus criou o universo e tudo o que nele há, desde os astros até seres animados e inanimados e, principalmente, o homem à Sua Imagem e semelhança (conhecimento, santidade e retidão) e que, desde então, tudo governa com Mão justa e amorável, cumprindo assim, Seus Decretos eternos.

5. Que, apesar de Deus ter feito o homem à Sua Imagem e semelhança, este veio a cair, tornando-se um miserável pecador e condenado ao fogo eterno. Deste estado, só poderemos ser salvos se alcançados pela Sua misericórdia infinita, transformados pela Sua graça, sem nenhum mérito nosso.  

6. Que esta graça é alcançada somente por aqueles que recebem Seu Filho, Jesus Cristo, como único Salvador, e que tal amor é indescritível ante Sua infinitude.

7. Que Jesus Cristo levou sobre Si todo o pecado daqueles que nEle creem, lavando-os e tornando-os limpos quando crucificado, e que Sua ressurreição ao terceiro dia ratifica este plano eterno de amor e segurança aos filhos de Deus, e que esta redenção é eficaz e definitiva, sendo que jamais seremos tirados de Sua companhia.

8. Que Jesus Cristo, em graça indescritível, veio uma vez, morreu e ressuscitou, voltará em majestade e glória para julgar o mundo com justiça e equidade e confirmar o destino eterno da humanidade, e que, morrendo nós, em Jesus, com Ele ressuscitaremos, em novo e incorruptível corpo, habitando com Ele para todo o sempre.

9. Que Deus, nosso Pai, permitiu que em delitos e pecados a humanidade perecesse, mas Seu amor tão grande com que nos amou eternamente, de forma gratuita, para Si escolheu um povo para libertar de toda falência espiritual da miséria do pecado e, com este povo, edificar, aqui, Seu justo Reino, do qual nos asseguramos sermos membros, em Cristo Jesus.

10. Que Deus estabeleceu a Igreja como Sua Casa, dotando-a do ministério da Palavra, das santas ordenanças (batismo e santa ceia) e da oração, para que, por esses meios, as maravilhas de Sua graça fossem conhecidas no mundo e, pela ação abençoada de Jesus, Seu Filho, na operação do Santo Espírito, pudessem receber, pela fé, as bênçãos da salvação, comunicadas ao Seu povo.

11. Sermos uma comunidade que serve a Deus, adorando-O em espírito e em verdade, ensinando, praticando e proclamando Sua Santa Palavra, que é a Bíblia, fazendo discípulos para proclamar Seu Nome, servindo, assim, ao próximo e aos domésticos na fé.

12. Que, com a renovação do Espírito Santo, que em nós opera, somos capacitados a morrer cada vez mais para o pecado e a viver mais retamente, até o dia da volta do Salvador, quando esta obra santa completar-se-á em nós, de forma eficaz. Por isso nossa alegria e esperança numa vida eterna melhor em Sua companhia.

13. Que, em virtude desta maravilhosa graça, além da obrigação de vivermos uma vida santificada e dedicada a Ele, temos que levar esta Palavra Santa a todos os rincões, para que a humanidade venhaa saberquem é Deus e o que significa Sua vontade Santa e eterna, isto é, que só por meio da lavagem da alma no sangue de Jesus Cristo há esperança de redenção.

14. Que, por isso, Deus requer de nós, ao atendermos a estes meios de graça, diligência, preparação e oração, para que, por meio deles, recebamos instrução e fortalecimento em fé, em santidade de vida e amor, para que utilizemos todos os meios, por Deus determinados, para proclamar Sua Palavra em toda a terra.

15. Na centralidade da exposição da Bíblia nos cultos e reuniões, bem como na ética cristã na administração da Igreja.

16. Na doutrina bíblica proclamada pela Reforma Protestante do séc. XVI, nos símbolos de fé da Igreja Presbiteriana do Brasil e em sua constituição, princípios de doutrina, liturgia e código disciplinar.

17. Que, para Deus, em tudo, devemos nos apresentar da melhor forma, seja no falar, no vestir, na excelênciadidática e em Seu trabalho. 

18. Que devemos respeitar as autoridades constituídas, pois vêm de Deus, e que devemos intercederpor elas; pois todo o poder concedido por Deus, por Ele será cobrado acerca de seu uso, bom ou mau.

Toda honra, toda glória ao Pai, Filho e Espírito Santo! Amém!